cachorro branco filhote

Quem é o seu colaborador favorito?

Quando faço essa pergunta em uma palestra, quase ninguém levanta a mão. Em seguida, pergunto: quem tem cachorro em casa? Quando você chega em casa, quem recebe a maior parte da sua atenção: seu companheiro ou companheira, seus filhos, um outro parente que mora com você ou o cachorro? Todos começam a rir porque quase sempre o cachorro é o favorito na hora da chegada em casa. Faz sentido: ele nunca está de mau humor, sempre está ansioso pela sua chegada… Pronto: agora, muitos já admitem que, nesta circunstância, têm, sim, um favorito. 

Quando falo com líderes, a resposta inicial é a mesma: “Não tenho favorito algum! Trato todos da minha equipe da mesma forma!” Será? 

A origem do favoritismo 

O favoritismo é uma prática muito nociva e difícil de ser percebida. Normalmente, vem à tona quando o líder elogia de forma recorrente as pessoas que são mais parecidas com ele – quer pelo estilo, quer por história de vida ou qualquer outro aspecto que demonstre afinidade entre os dois. 

A questão central é: sempre que existe um favorito, os outros tendem a se sentir desprestigiados. E isso é muito ruim para o líder e para a equipe. “Por que eu vou me matar para dar resultado se o líder só vai reconhecer seu favorito”? 

Na minha carreira em Tecnologia, tive chefes muito talentosos e que serviram de grande inspiração para mim. Em um dado momento, passei a responder a um Diretor que veio de fora da empresa. Com pouco tempo no cargo, ele trouxe um executivo que trabalhava com ele na empresa anterior para fazer parte da nossa equipe. 

Era um profissional tecnicamente muito preparado mas que parecia estar na sua primeira experiência como executivo. Todos na equipe viam que ele de fato ainda não estava preparado para o cargo. Mesmo assim, nosso Diretor não parava de elogiá-lo e incentivá-lo.

O maior problema daquele cenário é que todos sabíamos que se cometêssemos os mesmos erros do novo executivo nossa avaliação ficaria comprometida. Se fosse com o “protegido”, nada aconteceria, nem um feedback para sugerir melhorias. 

Resultado: a equipe inteira começou a questionar o quanto o Diretor era justo e o novato não durou sequer um ano; ele mesmo pediu o desligamento após muitas frustrações. 

Como identificar o seu favorito 

Em treinamentos, costumo usar um exercício muito simples para identificar se um líder está praticando favoritismo com alguém da sua equipe. 

Listando os integrantes da equipe nas linhas de uma tabela, peço ao líder que preencha as colunas com uma escala de 1 a 5 para as seguintes perguntas:

  1. O quanto ele gosta de mim?
  2. O quanto é parecido comigo (formação, experiências anteriores, círculo social)?
  3. Qual é a sua contribuição para o negócios e para os clientes?
  4. Quanto reconhecimento positivo eu dou a ele?

Se você encontrar uma correlação mais forte entre as colunas 1 e 2 com a coluna 4, então você tem uma grande oportunidade de reavaliar os colaboradores que mais recebem o seu reconhecimento positivo. Se a correlação for mais forte entre as colunas 3 e 4, então Parabéns! 

O que aconteceria se você aplicasse este teste na sua equipe?